滕彪文集
[主页]->[独立中文笔会]->[滕彪文集]->[E se Tiananmen fosse agora? Entrevista a quatro ativistas chineses ]
滕彪文集
· 纪念709,推动首届中国人权律师节
·709将成为〝中国人权律师节〞
·美港台人权组织设立709中国人权律师节
·Announcing the Inaugural China Human Rights Lawyers’ Day
·关于举办首届“中国人权律师节”活动的通告
·Why the West treats China with kid gloves
·首届中国人权律师节征集漫画、海报、短视频
·“访民困境与出路”研讨会
·美国CECC中国人权听证会:中共必须被公开羞辱
·Key Moments from CECC hearing “Gagging the Lawyers”
·Gagging the Lawyers: China’s Crackdown on Human Rights Lawyers and It
·多个人权组织及欧盟呼吁取消对刘晓波的限制/VOA
·709律师节与中国人权现况
·中国人权律师节启动 在笑与泪中纪念“709”两周年
·Chinese human rights lawyers remain defiant despite crackdown
·滕彪/夏业良漫谈法律与维权进程
· 萬人簽署08憲章,為什麼唯獨重判劉曉波
·709抓捕兩週年 律師籲持續國際施壓
·挽劉曉波聯
·The Political Meaning of the Crime of “Subverting State Power”
·滕彪/夏业良:公共知识分子和自由主义
·中国民主前路研讨会/RFA
·中国流亡律师滕彪,要做黑暗中的闪电
·Selected Publications/presentations as of 2017/8
·The Costs and Risks of Fighting for Human Dignity and Freedom
·China faces split into seven parts
· A Call for Investigation Into HNA Group’s Activities in the US and L
·王全璋律师竞逐郁金香人权奖:无畏强权 勇气与付出
·〝维稳〞维到联合国?人权观察批中共
·City of Asylum -Interview
·对中共的绥靖政策已致恶果浮现
·China’s top human rights lawyer in exile to speak at Saint Michael’s
·Activist expats raise voices on China rights crackdown
·A Human Rights Lawyer Lifts the Communist Party’s Spell
·Returning to Revolution
·One-man rule? China's Xi Jinping consolidates grip on power
·劉曉波對維權律師的關注
·滕彪:中国自由民权运动与习近平时代
·Kidnap, torture, exile: Dr. Teng Biao shares his story
·維權、佔中與公民抗命
·Arrested, Assaulted and Tortured: Exiled Human Rights Lawyer Details P
·滕彪律师评论郭文贵事件的意义
·Coercive Family Planning in Linyi
·Chinese lawyers hailed as “heroes for justice”
·THE PEOPLE’S REPUBLIC OF THE DISAPPEARED
·《失踪人民共和国》
·EXEMPLARY FIGURES REPORTED BY GARIWO
·在劫难逃
·李明哲案 滕彪:陸意圖影響台灣政治籌碼
·人权律师解密北京的"水晶之夜"
·李明哲案:臺灣退無可退
·作为人类精神事件的刘晓波之死
·北京驱逐"低端"人口的制度根源
·Atrocity in the Name of the Law
·学者解析中共执政密码
·暴行,以法律的名义
·人道中国十周年纪录短片
·“中华维权律师协会”评出十佳维权律师
·中国妇权成立十周年纪念
·武统狂言背后的恐懼
·以法律名義被消失,中華失踪人民共和國
·川普公布首批人权恶棍 滕彪:震慑中共
·「蚂蚁金服」在美并购遭拒 中国官媒指不排除反制措施
·CCP is taking China towards more and more Owellian state
·中国公民社会前景:乐观还是堪忧?
·中共渗透遭美欧澳等国谴责 专家析世界格局
·Laogai, le goulag chinois
·不反思計劃生育 中國就沒有未來
·中国:溃败与希望
·Conversation on China’s human right
·Draconic Restrictions on Uyghur Cultural And Religious Freedoms
·寧添十座墳,不添一個人
· the only way seems to become more dictatorial and oppressiv
·不管藍營綠營,面對的都是「集中營
·惠台政策还是经济统战?
·专访:用李明哲案件恐吓整个台湾
·習近平進一步向毛澤
·中共專制政權威脅全世界
·新戊戌变法的变与不变
·【Documentary】China: Spies, Lies and Blackmail
·No escape: The fearful life of China's exiled dissidents
·中国异议人士逃抵西方仍难脱离中共监控威胁
·The State of Human Rights Lawyers in China
·权益组织:电视认罪—一场中国官方导演的大戏
·温良学者 正义卫士(一)
·Has Xi Jinping Changed China? Not Really
·訪滕彪律師談中共政權對於全世界民主自由人權發展的負面影響
·中共绑架中国
·美国务院发布人权报告 点名批评中国等八国
·滕彪,温良学者 正义卫士(二)——发出不同的声音
·鸿茅药酒:中共制度之毒
·on televised confessions
·滕彪,温良学者 正义卫士(三)——挑战恶法 虽败犹荣
·温良学者 正义卫士(四)——铁骨也柔情
·温良学者 正义卫士(五)——黑暗中的闪电
·美两党议员推法案 要求调查中共渗透/NTD
·Video【Teng Biao: From 1989 to 1984】
·第二届藏港台圆桌会 中国律师表态支持自决权
·自由民主與自決權:第二屆藏港台圓桌會議
·Exiled in the U.S., a Lawyer Warns of ‘China’s Long Arm’
·端传媒滕彪专访:一个曾经的依法维权者,怎么看今日中国?
[列出本栏目所有内容]
欢迎在此做广告
E se Tiananmen fosse agora? Entrevista a quatro ativistas chineses

https://observador.pt/especiais/e-se-tiananmen-fosse-agora-entrevista-a-quatro-ativistas-chineses/
   
   E se Tiananmen fosse agora? Entrevista a quatro ativistas chineses
   
   Voltar ao índice

   
   Teng Biao, o homem que foi torturado por defender casos em tribunal
   é uma voz muito suave, num tom baixo, que se ouve quando alguém atende o telefone do outro lado. “Obrigado por ter ligado”, diz Teng Biao, simplesmente. é tarde em Taiwan, onde está temporariamente, mas isso não o impede de fazer à mesma a entrevista por telefone. A partir de Nova Jérsia (EUA), onde vive atualmente, Teng Biao tem aproveitado todos os momentos para denunciar as violações de direitos humanos que ocorrem na China de hoje — uma situação que, crê, piorou e muito com a chegada ao poder de Xi Jinping. Em abril de 2018, escreveu um artigo onde deixou claro o que pensa: “O novo totalitarismo de Xi Jinping e o velho estilo de totalitarismo de Mao não diferem assim tanto”, declarou.
   
   Não é para menos se se tiver em conta aquilo por que Teng Biao passou, a nível pessoal. Advogado, defendeu gente conhecida como o colega “descalço”, Chen Guangcheng. Mas defendeu também gente anónima e quase proscrita na sociedade chinesa: um trabalhador migrante, separatistas do Tibete, muçulmanos Uyghur e ativistas que pediam proteção para os doentes com VIH. Ao mesmo tempo, sempre se manteve uma voz política: nas aulas que dava, nos artigos que publicava, no facto de ter assinado o manifesto 08 de Liu Xiaobo.
   
   
   Teng Biao vive atualmente em Nova Jérsia, nos Estados Unidos (D.R. TENG BIAO)
   
   Mas as repercussões chegaram, e com toda a força. Primeiro foi suspenso de dar aulas na Universidade de Política e Direito de Pequim, por três vezes. Em 2008 foi-lhe retirada a licença para exercer como advogado. Pouco depois, viria a força bruta: um dia, puseram-lhe um capuz a tapar a cara e levaram-no à força para um lugar que não sabe onde fica. Em 2011 seria novamente detido. Esteve 70 dias em isolamento. Após ser libertado, foi dar aulas para Hong Kong, na esperança de que ali não teria de olhar por cima do ombro tantas vezes. Só que a repressão generalizada em 2015, quando 300 advogados de direitos humanos e ativistas foram detidos, insuflaram o medo em Teng Biao, que decidiu abandonar a China.
   
   é por isso que, garante ao Observador, a situação vai piorar antes de melhorar. Mas a única opção que lhe resta, diz, é continuar a tentar. Tal como fizeram os sobreviventes de Tiananmen, que o inspiraram quando era um jovem estudante de Direito.
   
   Como e porque se tornou advogado de direitos humanos?
   Antes de ir para a Universidade, eu tinha sido vítima de uma espécie de lavagem cerebral. Foi só quando fui para a Universidade de Pequim e conheci professores pró-democracia que as coisas começaram a mudar. Tive a oportunidade de ler publicações clandestinas e de ouvir falar do massacre de Tiananmen. é preciso também dizer que fui muito influenciado pela geração de dissidentes de Tiananmen.
   Aos poucos, comecei a aceitar que a democracia liberal era o melhor sistema. Foi depois de tirar o meu doutoramento e de começar a dar aulas em Pequim que passei a trabalhar como advogado. Aí, comecei a defender vários casos de direitos humanos, a defender sobretudo os promotores do movimento democrático. Os direitos humanos são muito, muito importantes, mas na China praticamente não existem. Não há qualquer respeito pelos direitos humanos e é muito importante que alguém os defenda.
   
   Foi advogado do Cheng Guangcheng, mas também de pessoas menos famosas: ativistas do Tibete, de minorias religiosas como a Falun Gong… Porque aceitou defender estas pessoas, sabendo que o julgamento provavelmente não seria livre?
   Na China não há qualquer independência judicial, nem julgamentos livres. Os juízes não podem tomar uma decisão individual nos casos. Portanto, para além da defesa em tribunal, nós tentamos organizar campanhas públicas, montamos atividades de rua e manifestações. às vezes planeamos greves de fome. Mas, na maior parte dos casos, não temos qualquer hipótese de ganhar, porque o governo controla o processo. Só que, através destes casos, ao longo do tempo vamos reunindo mais e mais apoio das pessoas normais, da sociedade. O movimento pelos direitos humanos tem-se desenvolvido ao longo dos últimos 15 anos, o que é incrível num regime tão repressivo. Mas esta é também a razão que está por detrás da repressão do governo.
   Em geral, acreditamos que a defesa dos direitos humanos é importante, mas o Estado de Direito é impossível na China. é por isso que queremos avançar com a democratização, porque será uma forma de avançar com o movimento dos direitos humanos também. Só quando a China for democrática é que os direitos humanos dos chineses serão totalmente protegidos. Não é possível protegê-los num sistema de partido único. é necessário alterar a estrutura política, alterar o sistema.
   
   Foi detido, esteve preso, foi torturado. Por que razão um advogado se torna alvo de tamanha repressão?
   Comecei por ser ameaçado de várias formas por causa do meu trabalho, bem como os meus artigos a criticar o governo e o Partido Comunista Chinês. Primeiro proibiram-me de dar aulas e depois acabei por ser despedido da Universidade. Confiscaram o meu passaporte. Depois fui colocado em prisão domiciliária. Por fim, fui detido. Deixaram-me em isolamento e, mais tarde, fui torturado.
   As ameaças a perseguição foram aumentando de tom ao longo do tempo porque eu nunca parei. Continuei sempre a trabalhar na área dos direitos humanos e isso enfureceu o governo. Queriam silenciar-me e travar-me, mas eu nunca parei.
   
   E quando é que decidiu sair da China?
   No final de 2013 vários dos meus colegas, advogados de direitos humanos, foram detidos. à altura eu estava a dar aulas em Hong Kong e tornou-se muito óbvio que, se regressasse à China continental, seria detido, julgado e condenado. Foi então que recebi uma proposta de bolsa da Harvard Law School e fui para os EUA em setembro de 2014. Mais tarde, o governo chinês prendeu vários advogados de direitos humanos, em 2015. Houve repressão sobre ativistas, grupos religiosos e cerca de 20 universidades, foi uma repressão bastante abrangente na sociedade. Tendo em conta isso, senti que não podia voltar à China.
   
   
   Teng Biao testemunhou perante o Congresso norte-americano a situação dos direitos humanos na China (NICHOLAS KAMM/AFP/Getty Images)
   
   Trinta anos depois do massacre de Tiananmen, diria que o Estado chinês está mais ou menos repressivo agora? Por outras palavras, hoje em dia é mais fácil ou mais difícil ser um ativista na China?
   Muitos académicos têm questionado esta noção da China como um Estado autoritário. A China é um Estado totalitário, não é um agente simplesmente autoritário. Desde que Xi Jinping chegou ao poder, em 2012, que os direitos humanos têm sido travados e que têm sido cometidas atrocidades. Muitos ativistas continuam o seu trabalho em defesa dos direitos humanos, mas o risco é mais elevado do que nunca. Acho que com Xi Jinping, o governo não vai parar. Temo que muitos ativistas serão presos nos próximos anos. A comunidade dos direitos humanos na China enfrenta um momento muito difícil e precisamos da ajuda e do apoio da comunidade internacional.
   
   "O problema é que, através de uma política de apaziguamento, os países ocidentais dão prioridade aos negócios e preocupam-se menos com os direitos humanos e com a democracia. Várias empresas ocidentais aceitaram a censura chinesa, alteram os seus softwares para que o governo chinês aperte o controlo à sociedade. Gostava muito que as empresas ocidentais revissem a sua atitude."
   Teng Biao, advogado de direitos humanos
   Tem esperança de que a situação venha a mudar? E o que acha que pode ser mais eficaz a conseguir uma mudança: a pressão internacional ou o trabalho dos ativistas chineses, dentro e fora do país?

[下一页]
blog comments powered by Disqus

©Boxun News Network All Rights Reserved.
所有栏目和文章由作者或专栏管理员整理制作,均不代表博讯立场