滕彪文集
[主页]->[独立中文笔会]->[滕彪文集]->[E se Tiananmen fosse agora? Entrevista a quatro ativistas chineses ]
滕彪文集
·Chinese Activist Wins Rights Prize
·我无法放弃——记一次“绑架”
·认真对待出国权
·毒奶粉:谁的危机?
·不要制造聂树斌——甘锦华抢劫案的当庭辩护词
·“独立知识分子”滕彪/刘溜
·经济观察报专访/滕彪:让我们不再恐惧
·人权:从理念到制度——纪念《世界人权宣言》60周年
·公民月刊:每一个人都可能是历史的转折点
·抵制央视、拒绝洗脑
·公民在行动
·Charter of Democracy
·阳光茅老
·中国“黑监狱”情况让人担忧/路透社
·《关于取缔黑监狱的建议》
·用法律武器保护家园——青岛市河西村民拆迁诉讼代理词
·关于改革看守所体制及审前羁押制度的公民建议书
·仅仅因为他们说了真话
·再审甘锦华 生死仍成谜
·邓玉娇是不是“女杨佳”?
·星星——为六四而作
·I Cannot Give Up: Record of a "Kidnapping"
·Political Legitimacy and Charter 08
·六四短信
·倡议“5•10”作为“公民正当防卫日”
·谁是敌人——回"新浪网友"
·为逯军喝彩
·赠晓波
·正义的运动场——邓玉娇案二人谈
·这六年,公盟做了什么?
·公盟不死
·我们不怕/Elena Milashina
·The Law On Trial In China
·自由有多重要,翻墙就有多重要
·你也会被警察带走吗
·Lawyer’s Detention Shakes China’s Rights Movement
·我来推推推
·许志永年表
·庄璐小妹妹快回家吧
·开江县法院随意剥夺公民的辩护权
·Summary Biography of Xu Zhiyong
·三著名行政法学家关于“公盟取缔事件”法律意见书
·公益诉讼“抑郁症”/《中国新闻周刊》
·在中石化上访
·《零八宪章》与政治正当性问题
·我来推推推(之二)
·我来推推推(之三)
·國慶有感
·我来推推推(之四)
·国庆的故事(系列之一)
·国庆的故事(系列之二)
·
·我来推推推(之五)
·我来推推推(之六)
·净空(小说)
·作为反抗的记忆——《不虚此行——北京劳教调遣处纪实》序
·twitter直播-承德冤案申诉行动
·我来推推推(之七)
·关于我的证言的证言
·我来推推推(之八)
·不只是问问而已
·甘锦华再判死刑 紧急公开信呼吁慎重
·就甘锦华案致最高人民法院死刑复核法官的紧急公开信
·我来推推推(之九)
·DON’T BE EVIL
·我来推推推(之十)
·景德镇监狱三名死刑犯绝食吁国际关注
·江西乐平死刑冤案-向最高人民检察院的申诉材料
·我来推推推(之十一)
·法律人的尊严在于独立
·我来推推推(之十二)
·听从正义和良知的呼唤——在北京市司法局关于吊销唐吉田、刘巍律师证的听证会上的代理意见
·一个思想实验:关于中国政治
·公民维权与社会转型(上)——在北京传知行社会经济研究所的演讲
·公民维权与社会转型——在北京传知行社会经济研究所的演讲(下)
·福州“7•4”奇遇记
·夏俊峰案二审辩护词(新版)
·摄录机打破官方垄断
·敦请最高人民检察院立即对重庆打黑运动中的刑讯逼供问题依法调查的公开信
·为政治文明及格线而奋斗——滕彪律师的维权之路
·“打死挖个坑埋了!”
·"A Hole to Bury You"
·谁来承担抵制恶法的责任——曹顺利被劳动教养案代理词
·国家尊重和保障人权从严禁酷刑开始
·分裂的真相——关于钱云会案的对话
·无国界记者:对刘晓波诽谤者的回应
·有些人在法律面前更平等(英文)
·法律人与法治国家——在《改革内参》座谈会上的演讲
·貪官、死刑與民意
·茉莉:友爱的滕彪和他的诗情
·萧瀚:致滕彪兄
·万延海:想起滕彪律师
·滕彪:被迫走上它途的文學小子/威廉姆斯
·中国两位律师获民主奖/美国之音
·独立知识分子——写给我的兄弟/许志永
·滕彪的叫真/林青
·2011年十大法治事件(公盟版)
·Chinese Human Rights Lawyers Under Assault
·《乱诗》/殷龙龙
·吴英的生命和你我有关
·和讯微访谈•滕彪谈吴英案
[列出本栏目所有内容]
欢迎在此做广告
E se Tiananmen fosse agora? Entrevista a quatro ativistas chineses

https://observador.pt/especiais/e-se-tiananmen-fosse-agora-entrevista-a-quatro-ativistas-chineses/
   
   E se Tiananmen fosse agora? Entrevista a quatro ativistas chineses
   
   Voltar ao índice

   
   Teng Biao, o homem que foi torturado por defender casos em tribunal
   é uma voz muito suave, num tom baixo, que se ouve quando alguém atende o telefone do outro lado. “Obrigado por ter ligado”, diz Teng Biao, simplesmente. é tarde em Taiwan, onde está temporariamente, mas isso não o impede de fazer à mesma a entrevista por telefone. A partir de Nova Jérsia (EUA), onde vive atualmente, Teng Biao tem aproveitado todos os momentos para denunciar as violações de direitos humanos que ocorrem na China de hoje — uma situação que, crê, piorou e muito com a chegada ao poder de Xi Jinping. Em abril de 2018, escreveu um artigo onde deixou claro o que pensa: “O novo totalitarismo de Xi Jinping e o velho estilo de totalitarismo de Mao não diferem assim tanto”, declarou.
   
   Não é para menos se se tiver em conta aquilo por que Teng Biao passou, a nível pessoal. Advogado, defendeu gente conhecida como o colega “descalço”, Chen Guangcheng. Mas defendeu também gente anónima e quase proscrita na sociedade chinesa: um trabalhador migrante, separatistas do Tibete, muçulmanos Uyghur e ativistas que pediam proteção para os doentes com VIH. Ao mesmo tempo, sempre se manteve uma voz política: nas aulas que dava, nos artigos que publicava, no facto de ter assinado o manifesto 08 de Liu Xiaobo.
   
   
   Teng Biao vive atualmente em Nova Jérsia, nos Estados Unidos (D.R. TENG BIAO)
   
   Mas as repercussões chegaram, e com toda a força. Primeiro foi suspenso de dar aulas na Universidade de Política e Direito de Pequim, por três vezes. Em 2008 foi-lhe retirada a licença para exercer como advogado. Pouco depois, viria a força bruta: um dia, puseram-lhe um capuz a tapar a cara e levaram-no à força para um lugar que não sabe onde fica. Em 2011 seria novamente detido. Esteve 70 dias em isolamento. Após ser libertado, foi dar aulas para Hong Kong, na esperança de que ali não teria de olhar por cima do ombro tantas vezes. Só que a repressão generalizada em 2015, quando 300 advogados de direitos humanos e ativistas foram detidos, insuflaram o medo em Teng Biao, que decidiu abandonar a China.
   
   é por isso que, garante ao Observador, a situação vai piorar antes de melhorar. Mas a única opção que lhe resta, diz, é continuar a tentar. Tal como fizeram os sobreviventes de Tiananmen, que o inspiraram quando era um jovem estudante de Direito.
   
   Como e porque se tornou advogado de direitos humanos?
   Antes de ir para a Universidade, eu tinha sido vítima de uma espécie de lavagem cerebral. Foi só quando fui para a Universidade de Pequim e conheci professores pró-democracia que as coisas começaram a mudar. Tive a oportunidade de ler publicações clandestinas e de ouvir falar do massacre de Tiananmen. é preciso também dizer que fui muito influenciado pela geração de dissidentes de Tiananmen.
   Aos poucos, comecei a aceitar que a democracia liberal era o melhor sistema. Foi depois de tirar o meu doutoramento e de começar a dar aulas em Pequim que passei a trabalhar como advogado. Aí, comecei a defender vários casos de direitos humanos, a defender sobretudo os promotores do movimento democrático. Os direitos humanos são muito, muito importantes, mas na China praticamente não existem. Não há qualquer respeito pelos direitos humanos e é muito importante que alguém os defenda.
   
   Foi advogado do Cheng Guangcheng, mas também de pessoas menos famosas: ativistas do Tibete, de minorias religiosas como a Falun Gong… Porque aceitou defender estas pessoas, sabendo que o julgamento provavelmente não seria livre?
   Na China não há qualquer independência judicial, nem julgamentos livres. Os juízes não podem tomar uma decisão individual nos casos. Portanto, para além da defesa em tribunal, nós tentamos organizar campanhas públicas, montamos atividades de rua e manifestações. às vezes planeamos greves de fome. Mas, na maior parte dos casos, não temos qualquer hipótese de ganhar, porque o governo controla o processo. Só que, através destes casos, ao longo do tempo vamos reunindo mais e mais apoio das pessoas normais, da sociedade. O movimento pelos direitos humanos tem-se desenvolvido ao longo dos últimos 15 anos, o que é incrível num regime tão repressivo. Mas esta é também a razão que está por detrás da repressão do governo.
   Em geral, acreditamos que a defesa dos direitos humanos é importante, mas o Estado de Direito é impossível na China. é por isso que queremos avançar com a democratização, porque será uma forma de avançar com o movimento dos direitos humanos também. Só quando a China for democrática é que os direitos humanos dos chineses serão totalmente protegidos. Não é possível protegê-los num sistema de partido único. é necessário alterar a estrutura política, alterar o sistema.
   
   Foi detido, esteve preso, foi torturado. Por que razão um advogado se torna alvo de tamanha repressão?
   Comecei por ser ameaçado de várias formas por causa do meu trabalho, bem como os meus artigos a criticar o governo e o Partido Comunista Chinês. Primeiro proibiram-me de dar aulas e depois acabei por ser despedido da Universidade. Confiscaram o meu passaporte. Depois fui colocado em prisão domiciliária. Por fim, fui detido. Deixaram-me em isolamento e, mais tarde, fui torturado.
   As ameaças a perseguição foram aumentando de tom ao longo do tempo porque eu nunca parei. Continuei sempre a trabalhar na área dos direitos humanos e isso enfureceu o governo. Queriam silenciar-me e travar-me, mas eu nunca parei.
   
   E quando é que decidiu sair da China?
   No final de 2013 vários dos meus colegas, advogados de direitos humanos, foram detidos. à altura eu estava a dar aulas em Hong Kong e tornou-se muito óbvio que, se regressasse à China continental, seria detido, julgado e condenado. Foi então que recebi uma proposta de bolsa da Harvard Law School e fui para os EUA em setembro de 2014. Mais tarde, o governo chinês prendeu vários advogados de direitos humanos, em 2015. Houve repressão sobre ativistas, grupos religiosos e cerca de 20 universidades, foi uma repressão bastante abrangente na sociedade. Tendo em conta isso, senti que não podia voltar à China.
   
   
   Teng Biao testemunhou perante o Congresso norte-americano a situação dos direitos humanos na China (NICHOLAS KAMM/AFP/Getty Images)
   
   Trinta anos depois do massacre de Tiananmen, diria que o Estado chinês está mais ou menos repressivo agora? Por outras palavras, hoje em dia é mais fácil ou mais difícil ser um ativista na China?
   Muitos académicos têm questionado esta noção da China como um Estado autoritário. A China é um Estado totalitário, não é um agente simplesmente autoritário. Desde que Xi Jinping chegou ao poder, em 2012, que os direitos humanos têm sido travados e que têm sido cometidas atrocidades. Muitos ativistas continuam o seu trabalho em defesa dos direitos humanos, mas o risco é mais elevado do que nunca. Acho que com Xi Jinping, o governo não vai parar. Temo que muitos ativistas serão presos nos próximos anos. A comunidade dos direitos humanos na China enfrenta um momento muito difícil e precisamos da ajuda e do apoio da comunidade internacional.
   
   "O problema é que, através de uma política de apaziguamento, os países ocidentais dão prioridade aos negócios e preocupam-se menos com os direitos humanos e com a democracia. Várias empresas ocidentais aceitaram a censura chinesa, alteram os seus softwares para que o governo chinês aperte o controlo à sociedade. Gostava muito que as empresas ocidentais revissem a sua atitude."
   Teng Biao, advogado de direitos humanos
   Tem esperança de que a situação venha a mudar? E o que acha que pode ser mais eficaz a conseguir uma mudança: a pressão internacional ou o trabalho dos ativistas chineses, dentro e fora do país?

[下一页]
blog comments powered by Disqus

©Boxun News Network All Rights Reserved.
所有栏目和文章由作者或专栏管理员整理制作,均不代表博讯立场